8 de jun de 2008

Ashaninka ensina a trabalhar a floresta


por Kaxiana*

Foto: Romerito Aquino
Benki Piyãko é uma liderança do povo Ashaninka










Um povo guardião da floresta que luta pelo desenvolvimento sustentável da Amazônia e contra a invasão constante de madeireiras peruanas para não destruir os ecossistemas florestais de uma das regiões de maior biodiversidade do planeta.

Assim são os índios Ashaninka, que vivem na Terra Indígena Kampa, situada ao longo do rio Amônia, no município de Marechal Thaumaturgo, no extremo oeste do Acre, fazendo fronteiras com o Peru, o Parque Nacional da Serra do Divisor, a Reserva Extrativista do Juruá e um assentamento do Acre.

De passagem recente por Brasília, o índio Benki Piyãko, uma das lideranças Ashaninka advertiu mais uma vez às autoridades brasileiras que seu povo já não suporta mais conviver com as constantes invasões de madereiros e traficantes peruanos, que destroem a rica biodiversidade da região e roubam madeiras valiosas que depois são exportadas pela cidade peruana de Pucalpa para o mercado internacional. Piyâko prometeu mais uma vez que, diante da ausência do estado brasileiro naquela fronteira totalmente desguarnecida, os índios vão resolver eles mesmos a questão da invasão. Ou seja, o conflito armado entre os índios e os invasores continua iminente.

A Kaxiana publica, abaixo, um artigo do próprio Benki Piyãko falando da luta de seu povo para preservar a integridade e a biodiversidade da floresta e do recém criado Centro de Formação Yorenka Ãtame – Saber da Floresta. Situado numa área de 86 hectares em frente à cidade de Marechal Thaumaturgo, o centro Yorenka se destina à formação, educação, intercâmbio e difusão de práticas de manejo sustentável dos recursos naturais da região do Alto Juruá. Leia, a seguir, o artigo de Benki, publicado originalmente no blog do Ashaninka, editado pela Associação Ashaninka do Rio Amônia (Apiwtxa).


Benki e a pajé Putani (Yawanawá) com assessores do senador Tião Viana (PT-AC)






* Kaxiana, Agência de Notícias da Amazônia, 12/10/2007

1 de jun de 2008

Fundação France Libertés celebra parceria com Rede Povos da Floresta

por Stefania Fernandes*


Milton Nascimento, Benki Ashaninka e Danielle Mitterrand

A Rede Povos da Floresta inaugurou sede no Rio de Janeiro e a festa também celebrou a criação da Fundação France Libertés – Danielle Mitterrand no Brasil.

Fotos Ipojucan Ludwig
Benki Ashaninka, Milton Nascimento e Ailton Krenak

A France Libertés trabalha no Brasil desde o ano de sua criação, em 1986, e desde então a Fundação presidida por Danielle Mitterrand tem aprofundado suas relações com o nosso país.

No último dia 20, a Fundação France Libertés se aproximou ainda mais de nosso povo, pois comemorou a criação de uma sede no Rio de Janeiro em parceria com a Rede Povos da Floresta. As duas entidades já têm endereço numa bela casa localizada no bairro do Horto.

O jantar contou com a presença de Danielle Mitterrand, João Augusto Fortes e lideranças indígenas como Aílton Krenak e Benki Ashaninka. Outros amigos estiveram presentes, entre eles os músicos Milton Nascimento e Paulo Jobim.

A Fundação France Libertés – Danielle Mitterrand tem um histórico de vinte anos de trabalho para o desenvolvimento social e humano, através de projetos que constroem alternativas nas áreas econômica, social e solidária.

Ela apóia projetos de desenvolvimento econômico e social e contribui para que as populações desfavorecidas possam não somente receber, mas participar na construção de sua cidadania.

* Stefania Fernandes, Rede Povos da Floresta, 01/06/2008